Em tempos onde o lema é a “inovação”, o mercado nos bombardeia com novas soluções, conceitos e técnicas de gestão de logística. Temos que estar atentos às novidades e tomar cuidado para não desperdiçar energia com soluções que não agregam valor para nossas empresas.

Vejam algumas dicas para ajudar na implementação de um projeto de modernização logística.

     1- Em primeiro lugar, tenha um propósito
Em 2004, dizia-se que em 5 anos todos os produtos de um supermercado teriam uma “etiqueta inteligente”. Hoje, 16 anos depois, é fácil dizer que essa visão estava equivocada.

E os exemplos são muitos. Recentemente, o “blockchain” também fez muito barulho, a ponto de algumas pessoas pensarem que tudo passaria a ser feito em “blockchain”. Depois vimos que se tratava de uma tecnologia extremamente interessante (de fato), mas aplicável apenas a algumas situações.

Então, a primeira dica é esta: não se precipite. Pense na tecnologia como uma solução para resolver um propósito. É muito bom, e necessário, pesquisar e conhecer as novidades. Mas elas precisam ser aplicadas para resolver um problema, e não criar um problema.

Ambos os exemplos (blockchain e RFID) mostram soluções que são aplicadas com sucesso em algumas indústrias, resolvendo problemas, otimizando processos, e trazendo ótimos resultados. Mas, temos que ter em mente que nem todas as soluções são aplicáveis a tudo.

     2- Comece pelos KPI
Como os recursos das empresas são finitos, e a busca por otimização e ganhos é permanente, então a lógica é aplicar energia e concentrar esforços em projetos que melhorem, otimizem e tragam ganhos operacionais e resultados para a empresa.

Sendo assim, a segunda dica é buscar as oportunidades nos indicadores de desempenho da empresa (KPI). Os números devem ser analisados com o propósito de enxergar onde está havendo ineficiências. É aí que estão as oportunidades.

     3- Agora veja o processo
Observe que só agora, depois de analisarmos os indicadores e nos aprofundarmos no estudo dos processos, estamos aptos a pensar em solução. Isto mostra que sair correndo para implementar uma novidade do mercado é uma estratégia muito arriscada, que pode dispender muita energia, e trazer pouco ou nenhum resultado.

O mapeamento dos processos e oportunidades é uma atividade sempre muito enriquecedora. É incrível como a equipe operacional já sabe quais são os “vilões”, e conhece todos os pontos de ineficiência e várias oportunidades. Sem dúvida, isto facilita muito o trabalho.

     4- O básico primeiro
Classifique as oportunidades mapeadas, agrupando-as e priorizando-as. Para priorizar, procure começar com as questões mais simples (as maças que estão no chão). Assim, você começa o projeto com atividades mais fáceis, e já começa a trazer ganhos operacionais.

À medida em que os ganhos começam a trazer resultados, o time vai ficando mais livre para atacar projetos mais ousados. Não tente começar por um mega projeto de torre de controle com inteligência artificial, por exemplo, antes ter uma base sólida de dados alimentada por um processo operacional robusto e confiável.

Não é complicado, mas contar com a ajuda de uma empresa especializada facilita tudo. Aqui na RunTec, por exemplo, nós temos uma ampla suíte de produtos, denominada HODIE, que trabalha desde a visibilidade completa do ciclo do pedido, até a logística reversa, passando pela gestão e monitoramento de entregas e terminando na Torre de Controle completa!

Nosso pacote é bem completo, mas normalmente recomendamos que o cliente comece implementado as soluções que atendam sua priorização, sempre pensando nos processos básicos em primeiro lugar. Em todos os nossos projetos, o ponto de partida sempre é a análise dos processos do cliente.

     5- Não acabou… É um processo contínuo
Outro erro comum é pensar que o projeto termina com o “go live”. Na verdade, penso que a modernização da logística é um processo à parte, que deve acontecer o tempo todo, mas com algumas diretrizes:

    • Estabeleça prazos para revisar todo o processo de tempos em tempos.

É importante que haja um período de recuperação, para que os processos se sedimentem e para que seja possível recuperar o investimento. O time também precisa “descansar” entre um projeto e outro. Se mudar toda a hora, não há o tempo de aprendizado, e muita energia é desperdiçada. Aprenda primeiro, antes de sair mudando sem parar.

    • Defina as fases do seu projeto

Nossa suíte HODIE, por exemplo, é totalmente modular, e permite que os clientes implementem um módulo por vez. Com isso, o cliente pode realizar projetos de 1, 2, 3, 4 anos, conforme sua necessidade e demanda. Geralmente começamos com o monitoramento de entregas e ocorrências, depois seguimos para módulo de gestão de pedidos, logística reversa, aplicativos, torre de controle, e assim por diante.
Com isso, sua empresa estará sempre atuando de maneira otimizada, entregando resultados e antenada com as novidades do setor que lhe sejam úteis.


Artigo publicado no dia 21 de outubro de 2020 em linkedin.com